Site desenvolvido pela Seção de Afetos Negativos e Processos Sociais (SANPS), UFRGS, Porto Alegre, Brasil. sanps.ufrgs@gmail.com

Irritabilidade

A raiva é uma resposta emocional normal às situações em que nos sentimos ameaçados, quando queremos fazer algo e somos interrompidos, injustiçados ou sentimos que nossos desejos não foram alcançados. Sentir raiva nestas situações é normal. Na dose certa, ela favorece as relações dando limite aos outros de modo a não nos sentirmos lesados e prejudicados. Na dose baixa, traz passividade. Na dose excessiva pode trazer agressividade.

 

A irritabilidade passa a ser um problema quando é frequente, acontecendo quase todos os dias, durando a maior parte do dia, quando inicia muito rápido com gatilhos pequenos, quando a criança ou jovem não consegue controlá-la levando a agressividade e autolesão. Além disso, pode ser uma manifestação de sintomas de tristeza aumentada e depressão, servindo como sinal de alerta para outras condições e fatores associados.

O que podemos fazer para ajudar alguém com muita irritabilidade?

  • Ensinar a aceitar e entender os sentimentos de raiva;

  • Tire a criança do local onde está acontecendo a crise de birra;

  • Forneça uma alternativa para a criança lidar com a raiva sem envolver agressividade (e.g., exercícios de respiração e relaxamento);

  • Estabeleça as regras;

  • Reconheça os comportamentos positivos;

  • Manter um padrão consistente na oferta de limites;

  • Atendimento periódico com os pais para alinhar combinações referentes aos limites;

  • Mudança de localização da criança na sala de aula;

  • Antecipar e mediar conflitos.

Que atitudes podem atrapalhar?​

  • Castigos físicos nunca. Eles interferem na autoestima da criança. Além de ser ilegal (Lei Menino Bernardo n. 13.030 de 2014), os castigos físicos posicionam o ato violento como uma alternativa, aumentando a utilização de atos agressivos contra outras crianças;

  • Responder com rispidez e irritabilidade - crianças e jovens agem como espelho do que vêem e experienciam - assim, é importante mostrar-se fonte de segurança e tranquilidade, favorecendo a resolução do conflito;

  • Evite instruções muito longas. Ser assertivo ajuda tanto a criança/adolescente quanto o adulto que está dando a instrução;

  • Cuide para que a criança não aprenda que recebe atenção (positiva ou negativa) ao expressar a raiva.

Assista ao vídeo sobre o assunto.

  • Black YouTube Icon
  • Preto Ícone Twitter