Site desenvolvido pela Seção de Afetos Negativos e Processos Sociais (SANPS), UFRGS, Porto Alegre, Brasil. sanps.ufrgs@gmail.com

Preocupações

Como podemos diferenciar preocupações do dia a dia de preocupações excessivas?

Todas as pessoas têm preocupações sobre diversas coisas que acontecem durante o dia. As preocupações nos ajudam a lembrar das coisas que temos que fazer, assim como nos preparam para lidar com os desafios. No entanto, para algumas pessoas essas preocupações podem se tornar excessivas.

 

As preocupações excessivas são aquelas que acabam durando muito tempo ao longo do dia, são frequentes, persistem por muitas semanas a meses e interferem na realização das tarefas da escola, no relacionamento com os amigos e com pessoas da família, nas atividades de lazer e na qualidade de vida de uma forma geral.

 

Algumas vezes, os alunos terão preocupações “do mundo adulto” - situações de conflito ou violência familiar, até mesmo as relacionadas ao sustento dos demais membros da família. Ouvir e entender o que está acontecendo é sempre o primeiro passo.  

O que podemos fazer para ajudar alguém que está com preocupações exageradas?

  • Escutar atentamente e de forma sensível o aluno, conversando sobre o que está acontecendo;

  • Orientar que todos podem apresentar, em maior ou menor grau, momentos de maior preocupação, alertando que existem formas de controle adequado;

  • Estimular que os motivos de ansiedade sejam enfrentados progressivamente;

  • Orientar a resolução de problemas de forma efetiva, com realização de pequenos avanços, evitando que dificuldades se prolonguem;

  • Orientar a vivência do presente, evitando preocupação excessiva com o futuro;

  • Estimular a prática de exercícios físicos;

  • Usar técnicas de relaxamento e respiração;

  • Encorajar a conversar com amigos, pais e outros adultos de confiança sobre seus pensamentos e sentimentos.

Que atitudes podem atrapalhar?​

  • Desvalorizar o sofrimento ou prejuízo associado à dificuldade de lidar com excesso de preocupações;

  • Banalizar casos graves (com necessidade de encaminhamento de saúde);

  • Usar medicamentos, álcool ou drogas ilícitas para tranquilização;

  • Relembrar, falar, focar em situações que geram ansiedade;

  • Não prestar atenção no que o aluno está falando ou expressando de sentimentos.

Assista ao vídeo sobre preocupações.

  • Black YouTube Icon
  • Preto Ícone Twitter